Desarranjo

Não quero ilusão, descaso, ou mesmo atraso qualquer
Que me ponha amarras, que me impeça de ser
Sou a que nasce sem dono, de asas e pouso assim
Pois que se me atas tua, alento tiras de mim

Essência desalinhada, fugidia de padrões
Que se esquiva das novelas e morais de gerações
Talvez seja o vôo que arrasta, breve qual sonhar do vento
A tornar-me temporã das esperas deste tempo

Anúncios

Sobre Lívia Furtado

Começou a estudar jornalismo e desenvolveu cada vez mais seu amor pelos livros. Começou a fazer reportagens, brincou de editar livros, foi parar na Flip e descobriu que, realmente, é a literatura seu grande amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

1.

3.

4.

  • 14,095 já ouviram
%d blogueiros gostam disto: